quinta-feira, 21 de junho de 2012

Realização de um sonho: voar de balão...

6. Dia - 20 de junho de 2012
Capadócia
Dia inteiro de visitas dedicado a explorar e descobrir a fascinante região única no mundo, junto à fantástica paisagem com belas formações de lava procedente da erupção do Monte Ercyias e da ação da erosão. Conhecer os pequenos povoados trogloditas de Pasabag  em Zelve; a fortaleza natural  de Uchisar; as chaminés de Urgup, como cones de pedra coroados por rochas planas; Avanos, povoado rico em artesanato e centros de tecelagem, onde almoçamos novamente. Visita ainda a uma cidade subterrânea, - estas cidades  foram construídas como refúgios pelos cristãos  da época e se compõem de vários pisos abaixo da terra ventilados por chaminés; foi possível admirar os dormitórios comuns, as cozinhas e salas onde as refeições eram feitas.


Levantamos às 4:45 para podermos voar de balão. Não foi fácil levantar, mas realmente cada minuto valeu a pena. Tomamos um café em pé e saímos para a sede da Royal, empresa com a qual faríamos o passeio de balão. Lá nos esperava um segundo café, muito bem servido, mas não comemos nada, somente tomamos um suco e café. Seguimos até o local do embarque. Pelo caminho, muitos balões preparando-se para o passeio. Foi muito emocionante levantar vôo. O balão vai subindo, subindo, silêncio total, somente entrecortado pelo barulho que o aquecedor do balão faz, e que é usado de vez em quando pelo condutor. Subimos, descemos, passamos por entre vales, sobrevoamos árvores e arbustos quase tocando neles, era um ir e vir constante.  O vôo foi perfeito. Tiramos muitas fotos. Pousamos num lugar diferente da partida, em cima de um altiplano e, por incrível que pareça, pousamos exatamente em cima da carreta do cesto. Inacreditável. Descemos do cesto e fomos recepcionados com prosseco, aí mesmo, no meio do mato. Cada passageiro recebeu uma medalha, e seguimos para o hotel de van, para o terceiro e desta vez completo café da manhã. Esta foi uma experiência que nunca mais esqueceremos. Foi maravilhoso, fantástico!













Kaymakly. Cidade subterrânea. É impressionante. É uma cidade que foi construída debaixo da terra como proteção. Tinha capacidade para 5000 pessoas. Visitamos 4 pisos. No primeiro ficavam os estábulos. No segundo piso igreja e algumas casas privadas. Também havia lugar para estocar alimentos. No terceiro estocava-se vinho . A cozinha ficava no quarto piso e finalmente os dormitórios. Havia dutos de ar , chaminés de ventilação, que ao mesmo tempo eram  poços, porque chegam até a água subterrânea.
Na Capadócia havia 200 cidades subterrâneas aproximadamente, mas somente 8 podem ser visitadas, todas as outras estão soterradas.


 



Mustafapasa.
Esta cidade fica a 6 km de Urgup, e era habitada por gregos ortodoxos até o início do século 20. As casas datam do final do século 19 e início do século 20. Há uma medrese construída durante o período otomano e belos exemplos de alvenaria de pedra.








Vale Zelve
O Vale Zelve, conhecido como Open Air Museum, está entre os vales que por último foram abandonados. Não há tantas igrejas assim. A topografia é dramática, com penhascos, pináculos e vales íngremes.

Ortahisar
Não fomos a este vilarejo conforme previsto porque o castelo, na realidade um rochedo de 90m está fechado.

Visita a uma família que mora na caverna.
Visitamos uma família de quatro pessoas que mora numa caverna de vários andares. O governo desapropriou todos os moradores de cavernas e construiu casas nos vilarejos. Esta família decidiu retornar à caverna e paga 8 mil euros por ano ao governo para ter o direito de morar lá. Como são agricultores e não tem como levantar este dinheiro, resolveram abrir a residência para visitação. Não se paga nada para entrar, mas há uma lojinha, e vendem bebidas, desde um chá por um euro até um Raki(bebida típica feita de aniz) por quatro euros.
Mais ou menos 60 pessoas visitam a caverna por dia.






Ainda fomos visitar o Vale das Pombas. É onde se criavam cinco milhões de pombas há alguns séculos atrás. Ainda há alguns pombos que ficam voando prá cá e prá lá - a recomendação é que não sejam alimentados.



Retornamos às 16 horas, com tempo suficiente para uma piscina, jaccuzzi ou o que desse na telha. Desta forma, terminou nossa estadia em Capadokya, que valeu muito a pena ter visitada.

É interessante observar e chamou-nos muita atenção que os turcos, mesmo morando na parte asiática do seu país se considera europeu e faz questão que assim seja. São muçulmanos, mas não cultivam todas as tradições normalmente vinculados com o islamismo. Adorariam entrar na Comunidade Européia para de uma vez por todas assumir sua identidade européia, mas isto parece ser um destino cada vez mais distante.

Jantamos novamente no hotel, e bebemos um vinho turco muito bom.

4 comentários:

  1. Aaaaaaaaadorei!!!!! Como é lindo este lugar. Aproveitem muito, mais do que já estão. Bjs Nina

    ResponderExcluir
  2. Fantástico!!!!

    Anita

    ResponderExcluir
  3. Muito legal Beathe! Nunca tinha pensado nisso, parece mesmo uma viagem e tanto...

    ResponderExcluir
  4. E mesmo incrivel essa viagem,nao e,Beate!eu fiquei encantada quando viajei nesse balao.Bjs.Adorei o relato de vcs,o filme do Ronald...

    ResponderExcluir